Como redigir o prefácio de um livro?

O prefácio de um livro é um elemento fundamental na composição da obra literária. Por isso, ele não pode ser negligenciado. O momento de abrir a leitura e degustar o que está por vir é uma ótima oportunidade para cativar o leitor e fazê-lo criar boas expectativas em relação às páginas seguintes.

Mas você, autor (ou aspirante), sabe como redigir um bom prefácio? Imagina que sua autoria possa ser atribuída a outra pessoa? Conhece os elementos que devem estar presentes em um prólogo bem feito e como o livro ganha com isso?

A seguir, vamos responder às perguntas acima! Mas, antes, queremos conversar um pouco sobre esse elemento e o que o torna tão significativo no contexto de uma obra. Continue a leitura!

O prefácio de um livro e sua importância

O prefácio é, literalmente, aquilo dito antes do livro. Em latim, a palavra “prefácio” significa “dito (fatio) antes (prae)”. Por isso, tal texto introdutório costuma ser relativamente curto, já que precede a obra e tem o intuito de preparar o leitor para o que virá em seguida.

O responsável pela tarefa de redigi-lo pode ser tanto o autor do livro quanto outra pessoa escolhida por ele — por ter atributos que a qualifiquem para falar sobre a obra com propriedade.

Muita gente “pula” esse texto inicial e parte direto para os capítulos principais do livro, sendo que alguns preferem, inclusive, ler o prefácio no final. Trata-se de um gosto pessoal. Contudo, essa seção ganha seu valor no momento em que orienta a leitura da obra, pois evidencia recortes, contextualiza ideias e provoca reflexões que o leitor poderia não ter durante o processo.

Mas o que deve haver em um prefácio bem redigido, que efetivamente cumpra seu papel — e não o contrário (como fazer o leitor sair correndo)?

As funções de um bom prefácio

Caso você seja convidado a escrever o prefácio de uma obra ou pretenda se empenhar em escrever o de seu próprio livro, saiba que é importante seguir determinadas prerrogativas. Abaixo, mostraremos algumas dicas importantes para preparar um.

Apresentar o autor e sua história

Essa é a principal função do prefácio se o autor ainda não for conhecido do público ou, ainda, se estiver lançando sua primeira obra. Nesses casos, solicitar a algum escritor mais prestigiado que apresente seu trabalho é abrir as portas para o público. 

Com o aval do prefaciador, os leitores terão certa garantia de que o livro merece ser lido. Isso acontece tanto em textos acadêmicos — quando um novo autor pede a tutela de um professor renomado — quanto em livros de poemas, crônicas ou um romance.

Ao redigir o prefácio, conte um pouco da vida do autor (sua origem e formação, além da composição de sua família, por exemplo) e de fatos relevantes que o levaram à escrita daquele livro.

Introduzir a obra

A função básica do prefácio de um livro, qualquer que seja seu gênero ou estilo e independentemente do fato de o autor ser ou não consagrado, é expor, isto é, apresentar o texto ao público. Em primeira instância, pense nisso como uma “vitrine” para a obra, explicitando para o leitor seus principais aspectos e objetivos e convidando-o a seguir sempre em frente na leitura, valendo-se de uma boa dose de isenção.

Jamais faça críticas no prefácio! Nesse sentido, é importante que o redator apresente, de forma sucinta, o conteúdo do livro, seu formato (se são capítulos, ensaios, contos, fantasia), seus temas principais e os paralelos.

Contextualizar a escrita

Outro aspecto interessante do prefácio de um livro é sua capacidade de construir, de antemão (pelo menos em parte), o clima e o contexto nos quais se insere a obra. Um livro acadêmico, por exemplo, pode ser contextualizado pelo prefácio no sentido de alinhar as expectativas do leitor com as teorias que serão desenvolvidas e a situação sócio-histórica na qual o texto principal se insere.

Já um romance ficcional, em outra análise, necessita de um prefácio que contextualize as condições em que a obra foi escrita, a fim de elucidar ao leitor as prerrogativas ficcionais nas quais ela se baseia.

Provocar um interesse pela leitura

Não é exagero reforçar: o prefácio de um livro não deve se valer de análise crítica em nenhum nível. Em contrapartida, é possível e recomendável que o redator provoque o leitor a tomar determinadas posturas de cunho analítico durante a leitura da obra.

Nesse momento, o leitor está criando expectativas sobre o que vai encontrar. Por isso, o que o autor do prefácio pode fazer é orientar a leitura e pinçar elementos que atraiam a atenção sem, contudo, interpretar ou fornecer teorias analíticas sobre o texto.

Falar sobre suas inspirações

Se for você o autor do prefácio de seu próprio livro, aproveite esse momento de interação com a pessoa que o lê e exponha para ela de onde partiu a inspiração para escrevê-lo. Quando se trata de uma obra ficcional, vale a pena comentar algumas referências em que você tenha se baseado, por exemplo. Jogue limpo com o público, pois, caso contrário, ele pode desconfiar de algum tipo de cópia!

Não é nenhum pecado deixar claro, logo no início do texto, que a narrativa tenha sofrido influências. George R. R. Martin (As Crônicas de Gelo e Fogo) não nega ter sido influenciado por J. R. R. Tolkien (O Senhor dos Anéis). É o próprio Martin quem enuncia:

Podemos inventar todas as definições de ficção científica, fantasia e terror que quisermos. Podemos estipular nossos limites e criar nossos rótulos, mas, no fim, ainda é a mesma velha história sobre o coração humano em conflito consigo mesmo.

Tenha sempre em mente todos esses aspectos ao se propor a desenvolver o prefácio de um livro — ou a orientar a escrita dele por outra pessoa, seja em uma obra de autoria própria ou escrita por terceiros. Assim, essa seção cumprirá seu objetivo, que é ser aquilo dito antes do escrito.

E então? Resta alguma dúvida sobre a escrita do prefácio? Quer acrescentar uma dica ou compartilhar sua experiência? É só deixar nos comentários! Será um prazer conversar com você.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Postagens relacionadas
4 elementos que não podem faltar em um livro de crônicas
6 livros para te inspirar a escrever melhor
Como divulgar um livro acadêmico?
7 comunidades de escritores que você não pode ficar de fora
Como escrever bons diálogos: veja 4 dicas