José Leonídio lança segunda obra da pentalogia “A Casa dos Deuses”

Nascido no subúrbio de Cavalcanti, no Rio de Janeiro, o médico e professor José Leonídio lança o segundo livro da pentalogia A Casa dos Deuses sobre a memória dos Tupinambás, a obra Os Guardiães. Já autor dos livros A Casa dos Deuses – Portais da Liberdade, Facebookeando, Enredando Ilusões e A Raposa do Cerrado, todos pela Autografia, José Leonídio já criou e desenvolveu diversos temas de enredo para escolas de samba e blocos do Rio de Janeiro.

Os Guardiães se remete a luta de Ângelo/Ogum Onyrê, filho de e Nlá Eiyê e Dandara, herdeiro do compromisso de seus pais com o Tupinambá Aimbirê na preservação de sua cultura e da Floresta da Tijuca (a casa dos deuses). A derrubada da Floresta para plantio do café, principalmente pelos ingleses, trouxe como consequência a diminuição da água das nascentes, com repercussão no abastecimento da cidade. A epidemia de febre amarela também acometeu o Rio de Janeiro naquela época, em virtude dos desequilíbrios ecológicos.

Em entrevista ao Blog Autografia, José Leonídio conta mais sobre a nova obra: “A pentalogia A Casa dos Deuses é fruto de 18 anos de pesquisa sobre a história da Guanabara na ótica dos índios Tupinambás, do século XVI ao XX. Aborda, em forma de romance, a memória dos nativos Tupinambás, que tinham a Guanabara como um lugar sagrado onde Iara e Tupã, seus Deuses, moravam. Os personagens são na sua maioria representativos das épocas a que se refere cada volume, que, no estilo literário realismo mágico, mistura realidade e ficção. Os Guardiães está dividido em 19 capítulos e epílogo, correspondendo ao século XIX, em torno de 1850”.

A inspiração para José escrever o livro surgiu ao autor passar pela estrada  Grajaú-Jacarepaguá, no Rio de Janeiro: “Me perguntei: quem manteve os nomes originais em Tupi de diversos bairros da cidade? A partir deste questionamento, comecei a pesquisar as literaturas escritas na ótica dos descobridores, principalmente narradas pelos Jesuítas e também dos historiadores portugueses dos séculos XVII e XVIII. Associei a estes os relatos de sobreviventes entre os nativos e também os relatos de diários de bordo dos navegadores Franceses, entre outros”, explica o autor.

Para José, publicar um livro é sempre como levar um novo filho ao mundo: “No caso da Pentalogia, são cinco irmãos dos quais dois já se desgarraram de mim. Ainda tenho mais três volumes da Pentalogia a publicar. Paralelamente um outro romance relacionado ao subúrbio da linha auxiliar Cavalcanti que se passa na década de sessenta do século passado e que está com 70% escrito, As Safiras de Candinho. Minha aposentadoria como professor da Faculdade de Medicina abriu espaço para este meu lado literário”, explica.

O livro Os Guardiães, apesar de retratar uma história de época, faz um paralelo com os acontecimentos recentes da humanidade: “a obra traz no seu contexto uma grande semelhança com o que está acontecendo hoje, com a degradação da natureza, o desrespeito a Mãe Terra. O fenômeno das queimadas na Amazônia é o mesmo que destruiu a floresta da Tijuca nativa. A seca, as doenças, entre elas a febre amarela, a falta de chuvas e de água potável naquela época (século XIX)  parece ser espelho para o Brasil de hoje, numa proporção gigante, de tudo que a Guanabara passou pela mão do homem dito civilizado, até que a floresta foi ressuscitada”, finaliza.

O livro A Casa dos Deuses – Os Guardiães será lançado na Bienal do Livro Rio 2019, no Estande R32 da Autografia, situado no Pavilhão Verde do Riocentro. O evento acontece no dia 7 de setembro, sábado, a partir das 13h30.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Postagens relacionadas
Lançamentos da Semana
João Bosco lança coletânea de escritos produzidos ao longo de 40 anos
Autobiografia espírita traz história de superação da médica Clarice Campos
Vencedor do Concurso Literário Jovem Embaixador lança obra de sonetos
Lançamentos da Semana