Jornalista lança obra sobre projeção da realidade espiritual

A autora Juliana Moura é jornalista, terapeuta voluntária, pós-graduada em Psicologia Transpessoal, formada em Relações Públicas, ama dançar e lança a obra “Você não existe”. No livro, Juliana traz relatos profundos sobre seus momentos de mergulho no autoconhecimento para um novo despertar, além de outros momentos dificultosos da sua vida. Na obra, a autora reforça que a fé e a esperança intensas foram decisivas para a sua recuperação plena.

Em entrevista ao Blog Autografia, Juliana conta mais sobre sua trajetória e sobre o tema do livro: “Desde pequena tenho um profundo interesse pelos mistérios ocultos que guiam a inteligência divina. Entender o universo sempre foi meu grande objetivo. A pobreza e a dor alheia sempre me incomodaram e eu não conseguia entender a razão de tanta desigualdade e injustiça neste mundo que é tão rico e abundante”.

“Acredito que sempre tive uma alma filosófica. Sou formada em Jornalismo e Relações Públicas, atuei na área por alguns anos. Porém, alguns anos depois, surgiu uma inquietação interior que acabou me levando a praticar trabalho voluntário. Desde 2013 sou terapeuta voluntária na ONG Terapeutas Sem Fronteiras”, relata.

“Desde então passei a estudar sobre a alma e essência humana. Fiz pós-graduação em Psicologia Transpessoal (aborda além da mente e corpo, a alma), fiz vários cursos no exterior, estudei radiestesia, reiki, florais etc. E tive experiências espirituais que possibilitaram compreender a dinâmica que existe entre o mundo oculto e a matéria, ou seja, um novo paradigma sobre a nossa existência. Inclusive é sobre isto que o livro fala”, completa a autora. 

“A obra Você não existe visa libertar o ser humano das mentiras que o aprisionam por séculos. Além disso, busca instigar a reflexão e o autoconhecimento e assim promover uma revolução de consciência. Este livro busca fazer com que o leitor comece a olhar para dentro, e através desse processo interior, consiga encontrar as verdadeiras respostas sobre a vida e tudo mais que tange à existência. O que é real? Os cinco sentidos são confiáveis? Quem somos? Qual o sentido da vida? São apenas algumas das perguntas que sustentam o esqueleto do livro”, afirma a autora. 

A inspiração para Juliana escrever o livro veio de uma intuição espiritual, muito pautada na sua vontade de deixar uma mensagem de fé e esperança aos leitores: “Esta obra nasceu de um acordo que havia feito com o universo em 2010. Se recebesse de presente um caderno (não poderia ser bloco de anotação e nem agenda, mas sim um típico caderno com espiral) eu deveria escrever um livro, o que aconteceu em 2019.

“Neste ano eu comecei a escrever o livro. O processo de escrita do livro demorou 9 meses, igual o período de uma gestação. O livro fez eu encarar os próprios medos e crenças limitantes. Foi uma experiência pessoal  transformadora”, conta. 

A autora ainda conta um pouquinho mais para nós sobre o processo de produção do livro: “O processo de escrita durou 9 meses. Foi um período intenso de produção. Passava madrugadas escrevendo. Escrevi o livro totalmente sozinha com a inspiração divina “soprando“ muitas vezes as palavras e assuntos. Acordava no meio da noite para anotar os insights que surgiam tempestivamente. Foi um momento que fiquei praticamente reclusa”. 

Para Juliana, publicar o livro traz imensa alegria e a satisfação de meta alcançada com muita fé e persistência: “A sensação de escrever este livro é de missão cumprida. Espero que este livro seja um agente transformador elevando a consciência dos leitores e inspirando-os melhor a fim de construirmos um mundo muito mais justo e harmônico”. 

“O recado principal para o leitor está contida no próprio título da obra: Você não existe. Frase dita por Jesus Cristo para mim numa das minha experiências espirituais, ou seja, a realidade como conhecemos hoje é na verdade apenas um simulador de experiências e vivências a fim de promover a consciência (processo de aprendizagem)”, conta.

“Somos seres espirituais (consciência em evolução), num veículo (corpo físico) que, através dos dramas e das tramas desenvolvidas pelas experiências humanas, capta pelos cinco sentidos, sensações e percepções ( energia) que são validadas pela mente como real, mas na verdade, é uma ilusão, apenas uma simulação para que possamos sentir, aprender e viver o que significa alegria, tristeza, dor, harmonia etc.”, afirma.

“A matéria é reflexo do mundo espiritual, assim como uma imagem refletida no espelho; ou seja, o criador da existência é o mundo espiritual. A matéria é apenas reflexo, por isso, hoje o mundo tem tanta pobreza, dor, sofrimento, violência etc.; pois, assim é, ou melhor, está a consciência humana”, relata.

“Precisamos mudar nossa consciência se quisermos ver e viver num mundo melhor. A mudança só acontece se mudarmos a informação (plano espiritual – consciência  – informação transmitida por energia). A matéria é produto da condensação desta energia. Vivemos num sistema energético regido por leis cósmicas e por uma inteligência que está além da lógica da nossa razão”, completa.

“O mundo espiritual deve ser sentido e vivido para ser compreendido, o que só é possível à medida que cultivamos a presença íntima, o olhar para dentro, a meditação. A liberdade está dentro de nós. Que cada um conquiste sua carta de alforria e se liberte das mentiras contadas ao longo dos séculos pela história religiosa, política, econômica, social e etc.”, finaliza.

O livro “Você não existe” está à venda em nossa loja online, fique de olho em nossas redes sociais e adquira o seu exemplar clicando aqui

 

Autor destaque da semana: Guilherme Sanchez com a obra “O Legado: As Crônicas de Leferion”

Guilherme Sanchez é o nosso autor destaque desta semana no Blog Autografia com a obra “O Legado : As Crônicas de Leferion”. Daremos um giro em algumas das matérias em que apareceu e eventos de que participou, nos últimos tempos, como autor por aqui.

Ontem (26), o autor deu uma entrevista para a TV Líder do Vale, que além das visualizações nas mídias sociais da TV, teve 7000 pessoas assistindo ao vivo a transmissão pelo canal (fora reprises da programação). Assista aqui!

Além disso, como o autor havia distribuído alguns livros para Youtubers e influenciadores, também ganhou algum espaço nessas redes, como essa matéria fantástica na Odisséia. Clique aqui para ler! E também essa maravilhosa resenha da Juliana, do Canal Revelando Livros. Veja aqui!
 
Em seu próprio canal também há uma série de vídeos. Acompanhe aqui!
Seu evento na cidade de Esteio foi noticiado pelo Jornal VS (Jornal Vale dos Sinos) um dos maiores na região. Leia aqui! E também no Jornal Líder do Vale. Veja a matéria!
 
Além de outras resenhas como a Modo Literário. Clique aqui!, Resenha da Machiatto Blog Veja aqui! e entrevista ao vivo para a influenciadora do Resenhas Caóticas. Assista aqui! Além disso, também realizou participação na abertura da Semana Literária da Cidade de Esteio. Acompanhe aqui! Matéria também presente aqui.
 
Também houve um evento no estilo noite de autógrafos na Casa de Cultura Mario Quintana, na cidade de Porto Alegre. Assista aqui o vídeo! Isso tudo fora a revista da editora Autografia, durante a Bienal, e a própria matéria que a editora disparou para blogs em sua assessoria que saiu em diversas páginas, até no Estadão e no R4, (Veja aqui!) e o seu plano de mídia. Acompanhe aqui uma das matérias!
 
O livro “O Legado: As Crônicas de Leferion” está à venda em nossa loja online, fique de olho em nossas redes sociais e adquira o seu exemplar clicando aqui!
 
 

Myrna Silveira lança obra onde aborda sobre os diversos aspectos da vida

A autora Myrna Silveira, sempre esteve envolvida no mundo da leitura e da escrita, e lança a obra “As Cinzas de Maria”. Em entrevista ao Blog Autografia, Myrna conta mais sobre sua trajetória e sobre o tema do livro: “Atuando como jornalista e crítica de cinema, escritora e pesquisadora (Presido uma entidade preservação fílmica – Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro – www.cpcb.org.br).”

É um livro de auto ficção – abrange o período da vida da personagem do nascimento aos 17 anos.  Termina quando ela perde o pai, deixa Salvador  e vem definitivamente morar no Rio de Janeiro com a mãe e os dois irmãos.  É inspirado na vida da autora e aborda os acontecimentos que aconteceram no entorno.”, afirma.

A inspiração para Myrna escrever o livro veio da sua vontade: “Não houve uma inspiração propriamente dita.  Tinha vontade de escrever essa história.”, conta. A autora ainda conta mais sobre o processo de produção do livro: “Sim, o livro foi escrito apenas por mim.  Mas ele foi revisto pelo meu marido, que infelizmente não está mais entre nós. Ainda estou muito abalada.”

Para Myrna, publicar o livro traz a sensação de expectativa: “Já havia publicado quatro livros antes desse.  Não foi diferente das outras vezes. Espero que gostem do livro e incorporem na leitura sua história de vida. Como digo nos meus livros sobre cinema “cada espectador (a) vê um filme”, de acordo com sua história de vida, padrões, condicionamentos, conceitos, etc. Isto também se aplica aos livros.  Cada leitor (a) lê um livro.”

Professor lança obra sobre educação ambiental no Brasil

O autor Aluísio Gomes, locutor, repórter e professor, lança a obra “Educação ambiental e sustentabilidade no Brasil”. No livro, Aluísio aborda um tema discutido em todo o mundo, educação ambiental e sustentabilidade, que foi sua tese de doutorado.

Em entrevista ao Blog Autografia, Aluísio conta mais sobre sua trajetória e sobre o tema do livro: “Na universidade de Pernambuco – UPE, me licenciei em Letras Inglês, antes, porém mergulhei profissionalmente na comunicação como locutor, repórter, redator e disk jockey até chegar à alta administração. Aos 29 anos de idade montei minha empresa de publicidade, em 2003 fiz concurso e me tornei professor da Facape – Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina, em 2010 iniciei o meu Doutorado em Educação Na Uncuyo – Universidad Nacional de Cuyio, Mendoza, Argentina e concluí coma defesa da Tese em Educação Ambiental e Sustentabilidade.”

“A obra deriva da minha Tese de Doutorado e o tema é atual, em discussão em todo o mundo, sobre Educação Ambiental e Sustentabilidade. Está dividido em 8 capítulos e tem na sua conclusão o resultado da pesquisa científica como o ápice. Essa conclusão é resultado das respostas de estudantes, professores, dirigentes de instituições de ensino superior e políticos ligados às questões ambientais. Antes, porém, abordamos as Bases e fundamentos da Educação Ambiental, Responsabilidade Social Universitária, implementação da Educação Ambiental nas Instituições do Ensino Superior etc”

A inspiração para Aluísio escrever a obra veio de sua experiência como professor: “Observando a falta de conteúdo abordando o assunto Educação Ambiental e Sustentabilidade no Ensino Superior, me senti na obrigação de levantar a bandeira em defesa da reintrodução do tema nas discussões acadêmicas, com o intuito de colaborar para instigar a universidade repensar seu papel como indutora do conhecimento na área.”

O autor conta ainda sobre o processo de produção do livro:” Produzir um livro de caráter acadêmico não é tarefa fácil. Levei muito tempo entre a pesquisa e a decisão de publicá-lo. Não é um trabalho solitário, tive que buscar apoio em muitas pessoas, desde os pesquisados até as minhas orientadoras argentinas, professoras doutoras Miriam e Roxana, a quem sou eternamente grato. O Livro é também um trabalho bibliográfico que o torna denso e por isso a bibliografia é extensa.

Para Aluísio, publicar o livro traz a sensação de gratidão ao conhecimento dos que o antecederam: “Ao tempo em que dou um novo passo na minha atividade como professor; tenho a expectativa de ministrar palestras, participar de debates, encontros, painéis e continuar escrevendo. Desejo contribuir na formação do conhecimento para uma Educação Ambiental universalizada e para um Desenvolvimento Sustentável inclusivo.”

O livro “Educação ambiental e sustentabilidade no Brasil” está à venda em nossa loja online, fique de olho em nossas redes sociais e adquira o seu exemplar clicando aqui!

 

5 elementos fundamentais para escrever um livro de suspense

Escrever um livro de suspense é o objetivo de muitos que se aventuram no fantástico mundo da ficção. Não é por menos, pois o gênero é um dos preferidos dos leitores mais assíduos da literatura universal.

Embora com estilos muito diferentes, Agatha Christie, Arthur Conan Doyle, Stephen King e Dan Brown são todos autores clássicos e consagrados de histórias de mistério.

E se você também quer escrever um livro de suspense, precisa compreender bem estes cinco elementos fundamentais que devem estar presentes na sua história. Confira!

1. O ponto de vista privilegiado do leitor

Enquanto desenvolve um livro de suspense, lembre-se sempre de deixar o seu leitor antecipado. Faça-o “ver” os pontos de vista tanto do protagonista quanto do antagonista.

Permitir que o leitor tenha uma visão privilegiada do desenvolvimento da história faz com que ele consiga enxergar os problemas antes do protagonista. Quem lê toma conhecimento das linhas de convergência entre o protagonista e o antagonista e sente as consequências dos perigos à frente.

Esta técnica causa tensão no leitor, permitindo que o escritor coloque uma carga emocional sobre ele. A tensão é construída a partir dos medos implicados por quem lê, pois sabe que o herói está rumando ao desastre.

2. Dilemas para a construção de tensão

O antagonista precisa jogar com o psicológico do protagonista, desafiando-o ou colocando-o à prova para difíceis escolhas e tomadas de decisão.

Um bom exemplo é quando ele tem que optar por salvar uma pessoa e deixar outra para morrer, ou quando se vê obrigado a realizar determinada ação que jurou nunca mais fazer.

O antagonista, por sua natureza inescrupulosa, ultrapassa seus limites sem pensar duas vezes. Porém, o protagonista possui suas questões morais e, como herói, ele não pode deixar pessoas inocentes morrerem sem antes lutar por suas vidas.

Um fator crucial na questão dos dilemas é que eles precisam de tempo para serem resolvidos, e com a pressão de um tempo restrito, a tensão se constrói. Portanto, use esse recurso de provocar o protagonista e sua história tem um suspense criado com sucesso.

3. O fator de tempo restrito

Já que tocamos no assunto da restrição de tempo no tópico anterior, este é outro recurso-chave para escrever um livro de suspense com muita tensão.

O protagonista precisa trabalhar contra o tempo, e o relógio deve ser um aliado do antagonista.

Nas histórias de Sherlock Holmes, Conan Doyle trabalhava este recurso com maestria. O famoso detetive tinha o relógio como seu principal inimigo, pois precisava correr contra o tempo para resolver os enigmas que, muitas vezes, envolviam vidas em perigo.

Outro exemplo bastante conhecido é no livro Anjos e Demônios, de Dan Brown, quando Robert Langdon corre contra o relógio para evitar que uma bomba de antimatéria exploda e destrua toda a cidade.

4. Altas expectativas

Manter as expectativas altas não significa, necessariamente, que a história precise passar pela maior tragédia global, como a aniquilação da raça humana. Mas ela precisa ser sobre uma crise devastadora para o mundo do protagonista.

O herói deve estar disposto a fazer o que for necessário para evitar que desastres ocorram. A crise tem que se mostrar importante para assegurar que os leitores sentirão empatia pelo protagonista.

5. Recurso da pressão

Outro elemento essencial para se escrever um livro de suspense é a pressão. O protagonista deve trabalhar com probabilidades que pareçam insuperáveis. Todas as suas habilidades e forças devem ser direcionadas ao ponto de ruptura para “salvar o dia”.

herói fraqueja, mas se recompõe diante das pressões aplicadas pelo antagonista. Deve haver somente uma pessoa deixada sob a sensação de impotência diante da história: o leitor.

Escrever um livro de suspense não precisa ser difícil. Com boas práticas e seguindo essas dicas, você conseguirá construir uma história incrível e cativante. Só não se esqueça do principal elemento para um bom livro: escrever sempre. Diariamente.

Agora, deixe um comentário aí embaixo no post e conte-nos suas expectativas para escrever seu próximo livro com muito suspense.

4 autores inspiradores para quem quer escrever um livro

A leitura tem sempre um papel primordial como suporte na hora de escrever. Mas não importa o quanto você leia ou pratique a sua redação, não há escritor iniciante ou experiente que já não tenha passado pela síndrome do papel em branco.

A falta de inspiração ou de referências para criar um material novo não é apenas um acontecimento indesejado, mas sim uma parte natural do processo de escrita. Por isso, é importante que você conheça alguns autores inspiradores para ajudar no seu trabalho e estimular novas ideias.

No post de hoje, você vai conhecer 4 escritores que influenciam e encantam outros escritores. Confira!

1. Fernando Pessoa

Fernando Antônio Nogueira Pessoa foi o poeta, escritor e representante mais importante do modernismo em Portugal. Além de ter traduzido várias obras do inglês para português, e vice-versa, o autor usou muitos tipos de pseudônimos diferentes em suas obras.

Isso quer dizer que alguns de seus trabalhos foram assinados com seu próprio nome e outros com heterônimos diversos. Cada um deles tinha uma personalidade e estilo literário próprio, o que pode servir como um manual para quem deseja adaptar sua linguagem para públicos diferentes.

2. Clarice Lispector

Entre os autores inspiradores mais famosos do mundo, eis uma poderosa fonte para aqueles escritores que desejam inovar.

Clarice Lispector é uma das autoras e jornalistas mais apreciadas da literatura modernista brasileira. Isso porque, com sua abordagem intimista, ela conseguiu inserir elementos sentimentais de forma criativa e única em seus textos.

Priorizando a expressividade e a liberdade do pensamento, a introspecção marcante da escritora é algo que deve ser observado por todos aqueles que precisam de uma inspiração mais original para trazer sensibilidade ao texto que desejam escrever.

3. Gabriel García Márquez

O colombiano é um dos autores inspiradores mais conhecidos no mundo. Famoso por Cem anos de solidão, uma renomada obra de realismo mágico, foi vencedor do Nobel de Literatura em 1982.

O escritor, jornalista e editor é um exemplo de disciplina e foco, já que, para criar sua obra-prima, costumava se desligar do mundo diariamente para exercitar a imaginação que marca seu trabalho e também para explorar ao máximo o seu potencial criativo.

4. Oscar Wilde

Além de poeta e escritor, Oscar Wilde também foi um aclamado dramaturgo de origem irlandesa, que se dedicou a diversos gêneros literários. Devido à sua especialidade em criar constatações caracterizadas pela ironia, cinismo e sarcasmo, ele influencia diversos autores até hoje.

Os escritores mais artísticos, que buscam por roteiros originais e personagens marcantes, podem se inspirar em suas novelas, poesias, contos infantis e dramas para escreverem suas próprias histórias.

Sabemos que criar um livro é um processo difícil e complexo, que depende de muito esforço mental, energia e boas referências. Por isso, esperamos que esta pequena lista ajude você a identificar e trabalhar as semelhanças desses autores com o seu próprio jeito de escrever.

Gostou do post? Conhece algum outro escritor que mudou o universo da literatura? Aproveite a oportunidade para nos contar quais são os autores inspiradores que mais influenciam o seu estilo e deixe seu comentário!

6 livros para te inspirar a escrever melhor

Escrever bem é um talento, mas também depende de muito esforço e repetição. Tentar, experimentar, errar e acertar são rotinas comuns na trajetória de quem quer se tornar escritor, seja lá em que campo ou nicho for. Mas onde aprender a escrever melhor? Cursos, oficinas, leituras compartilhadas e escolas podem ajudar muito, mas é sempre bom ter à mão um material de consulta ou de inspiração.

Vamos dar algumas dicas de livros aqui que podem ajudar a escrever melhor, especialmente porque foram produzidos por quem realmente entende do riscado. É claro que há inúmeras obras de escrita criativa no mercado ou oficinas de textos de escritores que ganham a vida tentando ensinar o que aprenderam. Mas que tal começar pelos aspectos linguísticos?

Nossas dicas não apenas inspiram, mas também informam e fazem refletir sobre a linguagem e a escrita. Confira!

“Comunicação em prosa moderna”

Este é um livro clássico dos cursos ligados à escrita, de autoria de Othon Moacyr Garcia. Foi publicado em primeira edição no final dos anos 1960 e nunca saiu de moda. Com ele, é possível refletir sobre problemas de gramática, mas também de semântica e de lógica na linguagem, questões que atazanam todos aqueles que lidam com a produção textual.

“É possível facilitar a leitura”

Duas linguistas, Lúcia Fulgêncio e Yara Liberato, escreveram este livro publicado em 2007 e já reeditado. Com uma profusão de exemplos, as autoras mostram como é possível escrever e reescrever, sempre em busca de um texto mais fácil, mais legível, mais limpo. Não se trata apenas de um manual de regras ou de um livro de receitas milagrosas, mas de um estudo linguístico sobre modos de escrever.

“Prática de texto para estudantes universitários”

A obra, outro clássico dos estudos de produção textual, é de autoria de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza. Embora se dirija a “estudantes universitários”, o livro serve bem para todos aqueles que querem pensar e praticar a escrita. Vale mencionar que Tezza é um dos mais reconhecidos escritores – romancistas – da literatura brasileira contemporânea.

“Desvendando os segredos do texto”

Este é um dos livros que poderiam ser citados de autoria da linguista Ingedore Koch. Autora de vários manuais e livros sobre produção textual, coesão e coerência, ela é um dos nomes incontornáveis do Brasil quando o assunto é o texto e seus mistérios. Não é lá nenhuma obra que explicite questões propriamente literárias, mas certamente ajuda qualquer aspirante a escritor a repensar suas práticas e os mecanismos da produção textual.

“Da fala para a escrita”

Luiz Antônio Marcuschi é outro dos linguistas mais importantes do país. O livro em foco é cheio de exemplos e reflexões sobre a fala, a escrita e os processos de retextualização que podem levar de uma à outra. Sem contar que Marcuschi escreve de forma fácil, direta e leve – aspectos a que muitos querem chegar.

“Para escrever bem”

Este é um manual escrito por Otilia Bocchini e adotado em diversos cursos de escrita, revisão e edição de textos. Com exemplos, a autora mostra como é possível optar por construções menos ou mais fáceis, sem cair no erro ou no clichê.

Muito embora esses livros e manuais ajudem muito no trabalho com a produção de textos, é sempre inspirador ler diretamente os autores e escritores criativos e hábeis. Qualquer clássico ajudará a pensar na escrita e a obter inspiração.

Com leveza e humor, é sempre inspirador ler Luis Fernando Verissimo, por exemplo. Para uma escrita densa e altamente poética, João Guimarães Rosa é um banho de literatura.

Poetas, romancistas, cronistas podem ajudar o leitor na experimentação da linguagem, soltando parafusos que não podem ficar muito emperrados, na hora de criar. Que tal provar de tudo isso?

Gostou de nossas dicas? Tem outras? Que tal comentar nosso post e colaborar conosco?

Aprenda a superar um bloqueio criativo

Um bloqueio criativo ao escrever um livro surge por inúmeros motivos. Muitos escritores sofrem do problema por medo de críticas ao colocarem o seu trabalho na rua. Também pode ocorrer devido a um perfeccionismo extremo, que impede qualquer obra de ser terminada. Mas a explicação talvez seja mais simples — pode ser que você não esteja no momento certo para progredir, pois suas ideias precisam amadurecer e se desenvolver.

O que fazer, então? Para ajudar você a resolver essa situação, reunimos, no post de hoje, algumas dicas rápidas e muito eficientes na hora de resolver esse problema. Confira!

Troque de ares

Isto é algo pequeno e que pode ter um efeito determinante para você se livrar de um bloqueio criativo. Ao trabalhar sempre no mesmo lugar e se envolver com as mesmas coisas no dia a dia, fica faltando o estímulo vindo do inédito. Portanto, dê uma pausa e vá passear em um lugar aonde você nunca foi.

Elimine as distrações

Elas são inimigas da produtividade e podem impedir que você consiga desenvolver as ideias de que precisa. Então, certifique-se de colocar o celular no modo silencioso e se livrar das notificações que possam aparecer no seu computador. Sempre que possível, deixe a internet desligada enquanto trabalha. Se você perceber que trabalha em um lugar ou horário com muitas distrações, faça os ajustes necessários.

Escreva sem propósito

O simples ato de escrever é algo que ativa a criatividade, mesmo que não tenha nada a ver com o que você precisa produzir. Abra um novo documento e escreva o que lhe vier à cabeça! Faça isso todos os dias e você vai perceber que sofrerá cada vez menos com bloqueios criativos, já que a escrita irá se tornar algo bem mais natural.

Leve um caderno sempre com você

Nunca se sabe quando uma ideia incrível vai surgir! E quando isso acontece, a pior coisa é tentar confiar na memória e, quando chegar a hora de resgatar seus pensamentos, não conseguir lembrar de nada. Leve sempre um pequeno caderno com você e anote tudo o que achar importante. Isso vai diminuir substancialmente o número de ideias perdidas e, assim, diminuir a força de eventuais bloqueios criativos.

Crie listas ou mapas mentais

Você já deve ter percebido que a escrita é a solução para o bloqueio criativo, não é? Então, outra sugestão para escapar deles é criar listas de assuntos variados, ou planejar o que você precisa escrever, explorando todas as possibilidades do tema com um mapa mental que explora seus diferentes aspectos. Ele vai servir para combinar ideias e redescobrir velhos conceitos através de novos ângulos.

Não espere pela inspiração

Este é um hábito que torna o processo de escrita bem passivo e pode contribuir imensamente para que o seu bloqueio criativo permaneça. Inspiração nada mais é do que usar as referências que você já possui em favor do trabalho que você precisa produzir. Portanto, não se trata de esperar a inspiração: vá atrás dela!

Ao seguir nossas dicas, você terá condições de se livrar do bloqueio criativo e se certificar de que ele não apareça mais. Que outros métodos você conhece para escrever melhor? Tem outras dúvidas sobre o assunto? Compartilhe com a gente nos comentários!

10 dicas essenciais para escrever um livro infantil

Encantar uma criança por meio da leitura é um desafio para muitos escritores. Ao contrário do que as pessoas pensam, escrever um livro infantil não é apenas imaginar uma história com personagens fofinhos e um final feliz. Atualmente, as crianças estão cada vez mais exigentes e críticas, e não é qualquer texto que prende a atenção delas, ainda mais com os fortes “concorrentes”: tablet, videogame, smartphone, entre outros aparelhos.

Para lhe ajudar a construir uma bela história, preparamos 10 dicas sobre como fazer um livro de história infantil, e listamos ainda as opções que os escritores têm para publicar o seu material. Confira tudo isso, nos tópicos a seguir!

1. Observe o mundo infantil

O primeiro passo para saber como fazer um livro de história infantil é conhecer e entender do que as crianças gostam. Para isso, pesquise e leia tudo o que faz sucesso entre os pequenos para ter uma base importante sobre que caminho seguir.

Ler outros livros infantis e procurar referências é a melhor forma de saber o que atrai as crianças e o que realmente as interessam nessas histórias. 

2. Leve em conta a faixa etária

Outra dica essencial para você começar a escrever um livro infantil é definir o público para o qual sua obra será destinada. De acordo com a faixa etária dos leitores, você deve criar uma história para crianças já alfabetizadas ou em fase de alfabetização.

No primeiro caso, é mais indicado usar imagens e texto de forma equilibrada, com estrutura e número de personagens maiores. Se a ideia é escrever para crianças em fase de alfabetização, use frases curtas, estrutura simples e abuse das ilustrações.

3. Capriche no enredo

Depois de definir o personagem principal e os secundários, é importante pensar no ambiente em que os fatos acontecerão, e a trama, de forma que envolva a criança com a história.

Lembre-se de que crianças gostam de se identificar com o personagem principal e viajar nas aventuras descritas no livro. Para gerar um maior envolvimento, a criatividade não pode faltar! Além disso, use a sua imaginação para deixar uma mensagem positiva, mesmo que não seja em um final feliz.

4. Não negligencie o visual

Outra dica essencial sobre como fazer um livro de história infantil, é em relação à sua capa, visto que é um dos aspectos mais relevantes para conquistar as crianças. Afinal, é ela que vai atraí-las em um primeiro momento! Portanto, capriche no título e insira ilustrações bonitas e chamativas.

5. Invista na publicação

Que tal criar um e-book da sua história, isto é, a versão digital do seu livro? Essa é uma boa opção para novos escritores e/ou para aqueles que não dispõem de recursos financeiros para investir na versão impressa. Outra alternativa é enviar a sua obra para as editoras e esperar que alguma delas se interesse.

Você também pode buscar por agentes literários, que fazem a ponte entre as editoras e os escritores, ou procurar por empresas que trabalhem com pequenas tiragens, dando oportunidade aos escritores de primeira viagem.

6. Não subestime a inteligência da criança

É preciso que você veja as crianças como leitores inteligentes e pensantes! Por isso, não deixe de criar histórias envolventes e que façam com que os pequenos possam desenvolver o seu intelecto.

Evite enredos “bobinhos” e que possam negligenciar o desenvolvimento dos leitores, principalmente para crianças maiores, com a literatura infanto-juvenil.

7. Crie personagens com os quais as crianças se identifiquem

Desde as obras literárias infantis mais clássicas, como Peter Pan e O Pequeno Príncipe, passando pelos livros de Monteiro Lobato, que mostram o cotidiano de Pedrinho, Narizinho e Emília, até outros mais recentes, como a série Harry Potter, todos eles têm algo em comum: as crianças são as protagonistas das histórias!

E isso pode ser a peça-chave para o sucesso de um livro infantil! Afinal, os pequenos poderão se identificar com esses personagens com a idade similar a deles, gerando mais proximidade e interesse pela obra literária.

8. Utilize uma linguagem adequada para o público infantil

É preciso tomar muito cuidado com a linguagem adotada ao escrever um livro infantil. Evite palavras complexas para o universo das crianças, ou expressões que possam ter duplo sentido e causar interpretações indesejadas.

Também é importante fuja do uso frequente de gírias ou expressões do momento. Apesar de isso gerar certa proximidade para os leitores atuais, podem distanciar os futuros. Ou seja, a sua obra será datada e poderá não chamar a atenção de uma criança daqui há 10 ou 15 anos.

9. Aplique a técnica da jornada do herói

A jornada do herói é uma técnica desenvolvida por Joseph Campbell, com uma narrativa na qual o personagem principal percorre por 12 etapas. Nessa sequência, o protagonista passa de alguém comum para um herói, percorrendo um longo caminho.

Essa técnica é aplicada em diversas obras, inclusive em animações de sucesso dos estúdios Disney. As 12 etapas da jornada do herói são as seguintes:

  • apresentação do cotidiano do personagem principal;
  • chamado para uma aventura;
  • recusa à oportunidade de se aventurar fora do cotidiano;
  • travessia do primeiro limiar;
  • execução de testes e convivência com aliados e inimigos;
  • preparativos para provação central;
  • provação central, que geralmente é um confronto com o vilão;
  • encontro com a deusa, no caso dos arquétipos masculinos;
  • recompensa pela passagem da provação central;
  • caminho de volta para casa;
  • ressurreição no local de partida;
  • retorno com elixir, como o tesouro concreto ou abstrato trazido pelo herói.

10. Dê valor aos personagens secundários

Em qualquer narrativa infantil o uso de personagens secundários se faz necessário, pois eles servem de escalada para as aventuras do personagem principal.

Na própria metodologia da jornada do herói, Campbell aponta a importância dos personagens secundários, sobretudo os aliados e inimigos, que convivem com o protagonista ao longo do desenvolvimento da trama. Portanto, não esqueça de também valorizá-los na história!

Escrever um livro para crianças é um desafio muito grande, principalmente pela ascensão da tecnologia, com equipamentos que disputam a atenção com a leitura. Desse modo, é fundamental conhecer profundamente o universo e gostos da criança, além de utilizar técnicas de linguagem e escrita para atraí-las. 

Você tem alguma outra sugestão sobre como fazer um livro de história infantil? Deixe seu comentário no espaço abaixo! Quem sabe a sua experiência não ajuda na formação de novos escritores?

10 técnicas para criar um personagem cativante

Sem a presença de personagens interessantes em livros, séries de TV, filmes e em toda a grande variedade do entretenimento existente no mundo, as narrativas seriam chatas e sem vida. Os protagonistas e os coadjuvantes são os pilares de qualquer história, seja ela uma ficção científica que se passa em outra galáxia, seja um drama familiar localizado em uma cidade do interior do Brasil.

A importância de criar personagens cativantes é tão grande que separamos 10 técnicas infalíveis para você construir os melhores e mais memoráveis seres fictícios. Ficou curioso? Então, acompanhe com a gente!

1. Descreva a origem do personagem

Definir o ambiente ou a cena inicial da sua história faz com que o seu personagem tenha um lugar para existir. Que lugar é este? Uma metrópole, uma cidade pequena, um apartamento de luxo, uma casinha no alto da montanha, as possibilidades são infinitas. O lugar de origem do personagem vai dizer muito sobre sua personalidade.

2. Dê a ele uma personalidade forte

Um erro bastante comum de muitos escritores é o medo de criar personagens que tenham personalidade e opiniões fortes. Isso porque, no mundo real, essas características são relacionadas com mau gênio e até mesmo arrogância. O que esses autores se esquecem, no entanto, é de que essas falhas podem ser ótimas tanto para o enredo quanto para a construção de um personagem do qual os leitores possam se identificar.

Afinal, ninguém gosta de personagens insossos, que ficam em cima do muro e não conseguem se posicionar em determinadas situações e assuntos. 

3. Escolha o nome ideal

Pode até não parecer, mas a escolha do nome do personagem é muito importante para toda a narrativa do livro e pode ser um fator determinando para o seu sucesso ou fracasso. Um nome bem escolhido pode despertar certos sentimentos nos leitores antes mesmo de o personagem mostrar todas as características de sua personalidade.

Isso acontece porque cada nome carrega consigo um peso diferente e pode relevar informações sobre o passado do personagem, sua religião, etnia, cultura e diversos outros elementos. É importante, também, escolher nomes adequados para o gênero de livro que está sendo escrito.

Por exemplo, um livro de fantasia ou ficção científica pode comportar personagens com nomes mais exóticos, já um gênero de romance contemporâneo demanda nomes mais comuns do nosso dia a dia — o que também vai depender, é claro, da região onde se passa a história.

4. Adicione características incomuns

O que o seu personagem tem que o diferencia dos outros? Pode ser um poder, uma cicatriz, um jeito peculiar de falar ou andar, um objeto mágico, um segredo ou qualquer outra característica. Mas, atenção: o que diferencia o seu personagem precisa adicionar conflito à história. Tudo que gira ao redor do herói ou vilão precisa fazer sentido para a narrativa. Criar personagens é misturar elementos simples que irão compor algo complexo.

5. Descreva os aspectos físicos do seu personagem

A caracterização de um personagem vai muito além de seus trejeitos e está bastante relacionada com a sua aparência. Os leitores, inclusive, têm o hábito de associar características físicas com traços de personalidade. Por exemplo, um personagem que tenha um maxilar marcado e um queixo proeminente podem indicar personalidade forte e determinação.

Já um nariz arrebitado pode sugerir arrogância ou imaturidade, ao passo que um nariz comprido pode indicar conhecimento e sabedoria. É por isso que é muito importante construir o perfil físico do seu personagem em consonância a sua personalidade.

6. Defina um propósito

O que move o seu personagem? O objetivo de vida deve ser simples e direto. Em histórias de terror a missão é sobreviver até o final. Em uma comédia romântica é conseguir o amor verdadeiro. Descubra o que o seu personagem persegue e coloque dificuldades em seu caminho. A motivação vai colocar a narrativa e a curiosidade do público em movimento.

7. Faça-o ser bom no que faz

Imagine se o Harry Potter, por exemplo, falhasse em todas as suas missões e fosse um bruxo nada habilidoso. Com certeza seu apelo pelo público seria outro, não é mesmo? Isso acontece porque as pessoas leem livros com histórias fictícias para fugirem da mundanidade de suas próprias vidas, elas querem ler sobre vencedores, não sobre perdedores.

Não há necessidade, contudo, de pintá-los como heróis estereotipados, mas é preciso que eles tenham algo de extraordinário que os façam sempre vencer no final.

8. Dê uma casa para o seu personagem

Onde ele mora? Ele tem animais de estimação? A casa pode estabelecer muito sobre o personagem, como manias, nível socioeconômico, família, traumas etc. Tudo deve ser sugestionado, e não entregue de bandeja. Um quadro dos pais ou avós pode relevar muito sobre o passado, ou um espelho quebrado pode mostrar como o personagem se vê interiormente. Use a imaginação para construir uma extensão da vida em objetos a princípio triviais.

9. Trabalhe seus medos e fraquezas

Um herói pode ser alguém imbatível, mas como podemos nos identificar com uma pessoa perfeita e sem defeitos? Todos nós temos imperfeições e pontos fracos. O seu personagem também deve ter! Defeitos e falhas deixam os personagens mais realistas e próximos do público, além de adicionar tensão à narrativa.

Além disso, para ter um melhor apelo com os leitores, uma dica é justificar esses defeitos com base em experiências e traumas do passado. Por exemplo, se um personagem masculino for descrito como um conquistador que tem dificuldade para assumir relacionamentos sérios, seria interessante que sua infância fosse marcada por um divórcio traumático de seus pais, esclarecendo assim a fonte desse comportamento errôneo.

10. Seja criativo

Nem todo personagem precisa ser uma pessoa. Em “O Senhor dos Anéis”, a Montanha Caradhras (Montanhas da Névoa) funciona como um personagem. Não coloque freios em sua criatividade, pois as opções são compatíveis com a sua imaginação. O seu personagem pode ser um animal, um brinquedo, um ser mitológico, um local, uma construção etc.

Tenha em mente que bons personagens definem se sua obra será um sucesso ou fracasso. Mas não se esqueça de que nem tudo precisa estar na história final. Você não precisa relevar o seu herói ou vilão por completo, mas, com certeza, precisa conhecê-lo melhor que qualquer um. Agora que você já sabe como criar personagens que cative o público, basta começar a escrever!

Gostou das dicas? Então curta a nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades sobre este e mais assuntos!